ARQUIVO

Porque mapas? Mapas ajudam a criar uma visão global dos problemas, identificar os recursos que temos para resolvê-los e definir caminhos de solução. Tradicionalmente, mapas são encomendados a partir da intenção de alguém. O cartógrafo atende a uma encomenda, como podemos ver nos mapas antigos criados pelos portugueses ou pelo império britânico. Onde havia conhecimento, eram criados ícones para tribos, mares e montanhas. Onde não havia, entravam monstros, caravelas e alegorias. E assim é: quando a gente não sabe, inventa. E se antes faltava informação, hoje temos em excesso. Precisamos dar sentido ao enorme volume de informação que temos à disposição e fazer isso, sempre que possível, usando a Inteligência do coletivo. Esse coletivo é fundamental pois gera informação e dá sentido a ela a partir de diversos pontos de vista. O caso mais famoso na web é certamente o Ushahidi, uma plataforma de crowdmapping que foi criada para mapear a violência após o início da guerra civil no Kenya. Aqueles mapas permitiam entender o tamanho do problema, quais os focos mais críticos e onde as soluções deveriam chegar primeiro. Onde a criação de mapas de forma coletiva pode funcionar? Vivemos um caso real no Senac em 2005. Havia uma Política de Qualidade definida corporativamente. Mas como garantir sua existência em cada uma das 80 unidades, na época, do Estado de São Paulo? E quais as práticas que fariam sentido em localidades tão diferentes? Algumas unidades tinham apenas 5 funcionários e outras, mais de 80. A estratégia foi construir um mapa que permitisse visualizar como a qualidade era trabalhada nas localidades. A construção coletiva desses mapas, com representantes das unidades, permitiu o diálogo sobre as práticas que realmente fariam sentido para os diferentes negócios que a organização tinha em todo o Estado de São Paulo. A partir do mapa, era possível formar grupos por tamanho, ou por problemas críticos semelhantes. Também era possível definir quem poderia aprender com quem, na medida em que tivemos acesso às unidades que já tinham avançado mais em cada um dos 6 pilares da Política de Qualidade. A construção do mapa trouxe as pessoas para o diálogo e permitiu que suas visões fossem representadas. Ajudou a criar caminhos para avançar mais rápido. Mas então, qual o diferencial do MAP-SE? Os mapas estratégicos são velhos conhecidos das empresas. Criamos vários deles ao longo da trajetória da Dobra. Eles sempre são uma projeção, mas raramente são criados de forma colaborativa. Os mapas estratégicos tradicionais são instrumentos de disseminação e engajamento, mas não um recurso para materializar e reunir conhecimentos. Essa é a diferença da proposta do MAP-SE. Acreditamos que é possível acionar a inteligência dos vários atores envolvidos em um problema não só para resolvê-lo, mas para ampliar a percepção do território, identificar os recursos que estão presentes, levantar pontos de vista e agilizar a busca de soluções. Tendo clareza de onde estamos, podemos definir mais rapidamente e de forma mais assertiva para onde vamos.

veja completo

por
ARQUIVO

O método MAP-SE é resultado da reunião das melhores competências da MOB Inteligência em Rede e da Dobra: facilitação criativa, mapeamento de redes e entendimento dos padrões culturais de um grupo, para ajudá-lo a aprender, inovar e atingir resultados. O MAPSE é especialmente útil na solução de problemas a partir do engajamento e da mobilização da inteligência de diversos stakeholders. Isso pode acontecer dentro de uma organização (com várias áreas) ou no relacionamento da empresa com fornecedores, comunidades de entorno e outros stakeholders. Os conhecimentos gerados num mapeamento de narrativas ou de redes se torna acessível através de um jogo que propõe a criação de mapas. Conheça mais.

veja completo

por
ARQUIVO

Acabamos de ler o lindo livro escrito pelo Gordon MacKenzie. Ele foi executivo da Hallmark por 30 anos, é cartunista e criativo de plantão. Ocupou vários cargos no desenvolvimento de produtos da empresa, criando o estúdio de design contemporâneo. Criou para si mesmo o cargo de "creativeparadox", uma espécie de Yoda das boas ideias. O autor conta que recebia qualquer pessoa da organização que tivesse uma boa ideia e sempre, sempre dizia que era realmente boa. Era uma "chancela" que as pessoas precisavam para levar adiante seus projetos e, mesmo que eles ainda não estivessem realmente bons, eles passavam a avançar mais rápido depois das palavras de reconhecimento de um "suposto expert". Para quem trabalha com indicadores de inovação e sistemas de gestão pode parecer uma tolice, mas para quem pensa em cultura de inovação, faz todo o sentido! O autor propõe um conceito interessante: a cultura organizacional é uma bola de cabelo gigante onde ficamos emaranhados. Cabe aos gestores deixar que as pessoas orbitem em torno dessa bola, como fios de cabelo meio soltos, para buscarem suas próprias experiências criativas sem se descolar da organização. É preciso reconhecer também quando estamos sendo sufocados pela bola de cabelo gigante, ou seja, quando estamos pensando na carreira, mas deixando morrer nossa energia criativa. Isso, no longo prazo, não se sustenta, como mostra a trajetória de carreira do próprio Gordon. A edição americana, de capa dura e toda ilustrada faz justiça aos desenhos e colagens do autor, que estão por toda a parte. Adoramos e nos inspiramos!

veja completo

por
ARQUIVO

Ganhamos de presente o vídeo que está no fim deste post sobre a importância da transição de uma economia focada no aumento da produção e do consumo para uma economia focada em serviços. O que isso significa? Significa que o consumo colaborativo, o aluguel de coisas das quais não precisamos todos os dias ou mesmo o compartilhamento, são um caminho claro para uma nova cultura de consumo, onde o usar substitui o ter. Os dados são claros. Em 2030 precisaremos de dois planetas se o consumo continuar crescendo no ritmo atual. As iniciativas de redução de impacto da produção no meio ambiente muitas vezes barateiam produtos e acabam tendo o efeito colateral do aumento do consumo. No caso do Brasil o maior do poder aquisitivo da Classe C, apesar de não ter nada a ver com produção mais sustentável, mostra como ainda há esse desejo, como nossas vidas são focadas em ter mais e mais. A consequência são estradas lotadas, shoppings sendo construídos em cada esquina e tudo muito justo. Todo mundo quer um lugar ao sol, ou na praça de alimentação do shopping. Por isso uma das questões da inovação hoje é o fator cultural. Se inovação, como acreditamos na Dobra, é produzir o futuro que queremos, é preciso que ela se dedique a mudar a nossa forma de viver o cotidiano; o que valorizamos, o que compramos, sobre o que conversamos com nossos amigos quando falamos das "melhores coisas da vida". Talvez esteja nascendo um novo contexto, em que essas "melhores coisas" sejam experiências menos materiais e não estamos falando da elevação espiritual do ser humano (ainda) mas simplesmente em um novo modelo no qual experimentar está à frente de possuir. É uma GRANDE mudança de filosofia de vida! Talvez a transição de parte da nossa vida para o ambiente virtual também reforce essa tendência: vamos viver experiências que podem ter algum vínculo com o mundo da matéria e do consumo, mas também podem estar encerradas alí, num lugar em que o consumo de recursos é baixo. Isolamento? Alienação? Não necessariamente. Outra descoberta recente. Estamos participando do beta-test de um sistema chamado greenApes (http://www.greenapes.com/en) que vai ajudar as pessoas a entender o seu padrão de consumo, consumir de forma mais sustentável (ou evitar o consumo) e formar comunidades em torno do tema da sustentabilidade de uma forma divertida. A experiência tem sido incrível! É uma inovação que vai na direção da mudança do padrão de consumo. Amén (sic). Como diria o mestre Maturana, a cultura se faz a partir da nossa rede de conversações, então, que essas iniciativas possam abrir novos caminhos. Eis o vídeo. Divirta-se e inspire-se.Servicizing

veja completo

por
ARQUIVO

Vamos criar juntos os mapas da realidade que queremos viver? Vamos realizar duas oficinas sobre o MAP-SE na HUB Escola. Ela acontecerá em São Paulo no dia 13/02 e em Belo Horizonte no dia 20/02. Saiba mais e inscreva-se aqui:http://www.hubescola.com.br/curso/map-se/

veja completo

por
ARQUIVO

Agende esta data: 08/10 (SEGUNDA FEIRA -18h30 às 21h30) O Sarau de Ideias é um encontro informal e aberto, em que conversamos sobre diversos temas relacianodos a inovação e criatividade. No próximo Sarau vamos conversar sobre A Beleza da Informação: tendências e novas formas de visualizar a complexidade do mundo em que vivemos. Vamos nos inspirar nos trabalhos de David McCandless e Manuel Lima, que mostram como o design, a estatística e a visualização de redes sociais podem se fundir para criar diferentes formas de entender o mundo. Com Luiz Bouabci, da Enzima Consultoria, especialista em inteligência de redes, Dalton Martins, professor da FATEC e especialista em análise de redes, Luiz Brito, professor da FGV e Luciana Annunziata, designer de aprendizagem social e inovação ediretora da Dobra, além de muitos outros amigos e convidados especiais. Traga suas perguntas e venha degustar um bom vinho. Seja bem-vindo ao nosso encontro. IMPORTANTE: Valor: R$ 30,00 Vagas Limitadas: 20 Vagas Loja: Fradique Coutinho, 915 - Pinheiros Inscrições: inscricoes@livrariadavila.com.br

veja completo

por
ARQUIVO

Agende esta data: 08/10 (SEGUNDA FEIRA -18h30 às 21h30) O Sarau de Ideias é um encontro informal e aberto, em que conversamos sobre diversos temas relacianodos a inovação e criatividade. No próximo Sarau vamos conversar sobre A Beleza da Informação tendências e novas formas de visualizar a complexidade do mundo em que vivemos. Vamos nos inspirar nos trabalhos de David McCandless e Manuel Lima, que mostram como o design, a estatística e a visualização de redes sociais podem se fundir para criar diferentes formas de entender o mundo. Com Luiz Bouabci, da Enzima Consultoria, especialista em inteligência de redes, Dalton Martins, professor da FATEC e especialista em análise de redes, Luiz Brito, professor da FGV e Luciana Annunziata, designer de aprendizagem social e inovação ediretora da Dobra, além de muitos outros amigos e convidados especiais. Traga suas perguntas e venha degustar um bom vinho. Seja bem-vindo ao nosso encontro. IMPORTANTE: Valor: R$ 30,00 Vagas Limitadas: 20 Vagas Loja: Fradique Coutinho, 915 - Pinheiros Inscrições: inscricoes@livrariadavila.com.br

veja completo

por
ARQUIVO

Agende esta data: 27/08 (SEGUNDA FEIRA -18h30 às 21h30) O Sarau de Ideias é um encontro informal e aberto, em que podemos trocar idéias e aprender em conversas sobre inovação e criatividade. Neste Sarau vamos conversar sobre processo criativo e entender como o Leque de Criatividade desenvolvido pela Dobra é utilizado para estimular projetos de inovação.Com Luciana Annunziata, designer de aprendizagem social e inovação, diretora da Dobra, e editora do blog: http://ideiasprainovar.com/ Traga suas perguntas e vamos experimentar juntos degustando um bom vinho. Seja bem-vindo ao nosso encontro. A inscrição para o Sarau deve ser feita pelo e-mail: inscricoes@livrariadavila.com.br Valor: R$ 30,00 Vagas Limitadas: 20 Vagas Loja: Fradique Coutinho, 915, Pinheiros

veja completo

por
ARQUIVO

Agende esta data: 27/08 (SEGUNDA FEIRA -18h30 às 21h30) O Sarau de Ideias é um encontro informal e aberto, em que podemos trocar idéias e aprender em conversas sobre inovação e criatividade. Neste Sarau vamos conversar sobre processo criativo e entender como o Leque de Criatividade desenvolvido pela Dobra é utilizado para estimular projetos de inovação.Com Luciana Annunziata, designer de aprendizagem social e inovação, diretora da Dobra, e editora do blog: http://ideiasprainovar.com/ Traga suas perguntas e vamos experimentar juntos degustando um bom vinho. Seja bem-vindo ao nosso encontro. A inscrição para o Sarau deve ser feita pelo e-mail: inscricoes@livrariadavila.com.br Valor: R$ 30,00 Vagas Limitadas: 20 Vagas Loja: Fradique Coutinho, 915, Pinheiros

veja completo

por
ARQUIVO

O Sarau de Ideias é um encontro informal e aberto, em que podemos trocar ideias, tomar um vinho e aprender em conversas sobre inovação e criatividade. Para este encontro, a proposta é conhecer as diferentes teorias e pontos de vista, as crenças e os caminhos para a Arte da Narrativa na era digital. Agende esta data: 30/07 (SEGUNDA FEIRA -18h30 às 21h30) Com Cristiana Ceschi, atriz, cientista social e narradora de histórias. Há 12 anos conta histórias em espaços e para públicos diversos. Atualmente desenvolve pesquisa de mestrado na ECA USP sobre a Arte da Palavra no contexto da Era Digital, e Luciana Annunziata, designer de Aprendizagem Social e Inovação, diretora da Dobra, e editora do blog: http://ideiasprainovar.com Contaremos com várias presenças especiais, entre elas: - Rodrigo Arnaut, Pesquisador da Globo e Curador responsável pelo grupo Era Transmídia, da ESPM. - Sergio Luis Seloti Jr, professor do Mackenzie e doutorando na FGV, onde estuda o tema das narrativas organizacionais. Teremos contadores de histórias, poetas, marqueteiros, gestores do conhecimento, administradores, ativistas digitais, enfim, não faltarão visões diferentes sobre o tema! Traga suas ideias, inquietações e histórias. Seja bem-vindo ao nosso encontro. A inscrição para o Sarau deve ser feita pelo e-mail: inscricoes@livrariadavila.com.br Valor: R$ 30,00 Vagas Limitadas: 20 Vagas Loja: Fradique Coutinho, 915, Pinheiros

veja completo

por